Sesc no Pará

Topo

Fecomércio-PA    |    Senac




 

Sonora Brasil abre espaço para música indígena

 

Com o tema “A música dos povos originários do Brasil”, a  22ª edição do Sonora Brasil chega ao Pará trazendo para Castanhal e Belém, nos dias 10 e 11/05, a diversidade musical e estética de povos indígenas. Promovido pelo Serviço Social do Comércio (Sesc), o maior projeto de circulação musical do país já alcançou 750 mil pessoas, com 6.098 concertos, de 85 grupos, em mais de 150 cidades brasileiras. Ao todo, 431 músicos já se apresentaram no circuito, que a cada biênio aborda duas temáticas diferentes e promove a circulação dos artistas por todas as regiões brasileiras. Em 2019/2020 os temas apresentados serão “A Música dos Povos Originários do Brasil” e “Líricas Femininas - A presença da mulher na música brasileira”. Neste ano, o tema que percorrerá o Pará será “A Música dos Povos Originários do Brasil”, iniciando com a apresentação dos grupos Wagôh Pakob e Opok Pyhokop, de Rondônia, no dia 10/05, às 19h, no Sesc em Castanhal e dia 11/05, também às 19h, no Centro de Cultura e Turismo Sesc Ver-o-Peso, em Belém. A entrada é franca.

Uma curadoria formada por profissionais do Sesc de todo o país é responsável pela escolha dos temas e grupos que integram a programação do Sonora Brasil. O tema “A Música dos Povos Originários do Brasil” será apresentado por meio de quatro circuitos, com dois grupos diferentes em cada, mostrando um pouco da diversidade musical e estética dos povos indígenas. Os circuitos são compostos pelos grupos tradicionais: Teko Guarani, do povo Mbyá-Guarani (RS) e Nóg gã, Kaingang (RS); Dzubucuá, do povo Kariri-Xocó (AL) e Memória Fulni-ô, Fulni-ô (PE); Opok Pyhokop, do povo Karitiana (RO) e Wagôh Pakob, do Paiter Surui (RO); e pelo grupo Wiyae que reúne os trabalhos da artista indígena Djuena Tikuna (AM) e da cantora e pesquisadora Magda Pucci (SP) do grupo Mawaca.

 “Há 22 anos, o Sonora Brasil desperta o interesse do público para expressões musicais identificadas com a história da música brasileira, apresentando grupos que estão fora dos grandes centros culturais. Durante dois anos os artistas se revezam pelo país, percorrendo todas as regiões, em extensa programação cultural”, explica Gilberto Figueiredo, analista de cultura do Departamento Nacional do Sesc.

A música é um dos elementos mais ricos da cultura e arte indígena e uma porta de entrada privilegiada a um universo tão diversificado ainda desconhecido. Com  cantos, danças e instrumentos de cordas, sopro e percussão, três circuitos trazem grupos tradicionais, apresentando suas tradições culturais e cotidiano das aldeias. O circuito Wiyae apresentará um repertório de arranjos elaborados com utilização de  instrumentos musicais não indígenas e  o trabalho composicional e artístico  de uma indígena da atualidade, mostrando as novas perspectivas sobre identidade cultural desses povos.

O Grupo Wagôh Pakob é formado por Gasodá Suruí, doutor em Geografia pela UNIR, Maria Leonice Tupari (Tori), Coordenadora da GIR-Associação das Guerreiras Indígenas de Rondônia, Luiz Mopilabaten Suruí, Leoneide Myde, Lucia Suruí (Paweika), Chicoepab Suruí Dias, Narré Suruí e Rubens Iamay Suruí que vivem na aldeia Paiter da linha 9, em Rondônia. Além das canções tradicionais relacionadas a rituais, que relatam narrativas míticas e relembram momentos da história dos Paiter ou que retratam tarefas do cotidiano, os Paiter têm canções atribuídas à criação individual e cantadas somente por seus criadores.

Grupo Opok Pyhokop é formado por Taobina, pajé dos Karitiana e cacique da Aldeia Byjyty Osop Aky, Pitana, estudante de agronomia e presidente da Associação Indígena Karitiana, e pelos anciãos Pyridna, Taogydna e Bypan Ywemp.A música tradicional do povo Karitiana, um dos muitos grupos indígenas do estado de Rondônia,  é fortemente relacionada ao sagrado. Os anciãos são enfáticos nas orientações sobre a execução dos cânticos de proteção e de aplicação de remédios pelo pajé, que, por exemplo, devem ser cantados sempre da mesma forma e sem os instrumentos de sopro.

Até o fim de 2019, os 63 artistas dos dois temas farão 350 apresentações, em 97 cidades. O tema “Líricas Femininas” circulará pelas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste enquanto o tema “A Música dos Povos Originários do Brasil” seguirá pelas regiões Norte e Nordeste. No ano seguinte os grupos invertem as regiões fazendo com que todos circulem por todo o país.

“O Sonora privilegia temas que mantenham as raízes da música brasileira e que não tenham uma abordagem recorrente na mídia. Este ano estamos indo além, reforçando a importância do olhar diferenciado para a música feminina e indígena”, conclui Gilberto.

O projeto continuará a circular no Pará nos meses de setembro, outubro e novembro.

 

Serviço:

Sonora Brasil - Grupos Wagôh Pakob e Opok Pyhokop (RO)

 

Castanhal

Dia:10/05/2019

Hora: 19h

Local: Sesc em Castanhal (Av. Barão do Rio Barão, 10 – Nova Olinda)

 

Belém

Dia: 11/05/2019

Hora: 19h

Local: Centro de Cultura e Turismo Sesc Ver-o-Peso (Boulevard Castilho França, 522/523)

 

 

Informações:  0800-941-1242 (Fale com o Sesc)

                       (91) 3721-2294 (Sesc em Castanhal)

                       (91) 4005-9584 / 4005-9587 (Coordenação de Comunicação do Sesc no Pará)

Entrada Gratuita

cecomsescpa@gmail.com

www.sesc-pa.com.br

Facebook: Sesc Pará

 

 

 

 

Publicado em: 08/05/2019

 

Matérias Relacionadas:


 

 

 

Sesc | Serviço Social do Comércio

Departamento Regional do Pará
Av. Assis de Vasconcelos, nº 359
Bairro Campina - CEP: 66010-010
Belém - Pará


Central de Relacionamento:
     0800 - 941 -1242
     (91) 4005 - 9591
centralatendimento@pa.sesc.com.br

Ouvidoria

logo do Sesc
link para o site da Fecomércio Pará link para o side do Senac no Pará

 

Siga-nos

Serviço Social do Comércio — Departamento Regional do Pará       www.sesc-pa.com.br   Todos os direitos reservados